21 de janeiro de 2016

O que eu li: Set, Out, Nov, Dez - 2015

Alá! Voltou com pouca vergonha na cara para fazer vídeo de leituras atrasado desde SETEMBRO DO ANO PASSADO!! Pode uma coisa dessas?! Bom, não adianta chorar pelo leite derramado, né? xD

Voltando agora com o post (vocês já entenderam que faço o post de lidos para quem só acompanha o blog, certo?) das leituras, então, desde Setembro. Pouca coisa, mas leituras ótimas. Uma, aliás, a melhor leitura de 2015! Como falo no vídeo, vocês podem ver porquê é minha leitura preferida no post de Retrospectiva Literária. E a felicidade é que nada foi ruim ou me decepcionou, todas foram leituras agradáveis e de boa qualidade.

O que eu tenho prezado ultimamente: qualidade, e não quantidade. :)


13 de janeiro de 2016

Vou largar tudo que estou lendo para ler Susan Sontag

Tá, nem tudo. Mas a maioria das coisas que comecei a ler (e que consequentemente já estão meio paradas). E eu poderia, simplesmente responder a pergunta "Por quê?" com um enfático "Porque sim!", contudo farei algo melhor, vou mostrar alguns motivos pelos quais vou deixar em hiato algumas coisas e ler o livro da Susan Sontag que comprei nas (não)promoções da Black Friday de 2015.

9 de janeiro de 2016

(Longa) Retrospectiva Literária 2015

Credo, 2015 passou voando. Tenho quase certeza de que 2016 não vai ser tão diferente. =P
Bom, agora virou tradição, então vou sempre fazer Retrospectiva Literária aqui no blog. Eu acho bem gostoso de escrever e fica legal. ^^

Como fiz ano passado, quero relembrar as leituras que fiz; falar um pouquinho do que se passou com elas e responder a tag da Tary

Então vamos ao textão de Facebook de Retrospectiva Literária!

29 de dezembro de 2015

Na estante: Estação Atocha (Ben Lerner)

Adam Gordon após ganhar uma bolsa de estudos para uma pesquisa, muda-se para Madri como poeta e tradutor. Americano que não fala praticamente nada de espanhol, Gordon se limita a usar haxixe, se auto medicar e mentir sobre seu verdadeiro eu.
Contado em primeira pessoa, achei que o livro tem um tom de diário, pois em muitos momentos Gordon vai narrando sobre suas experiências na cidade espanhola, mostrando suas reações a elas, e isso acontece muitas vezes de um modo frenético e fluido.

25 de novembro de 2015

Feliz aniversário, envelheço na cidade

Quando eu era pequena amava fazer aniversário. Esperava ansiosamente para poder reunir meus amiguinhos em volta de um bolo delicioso, com a mesa cheia de docinhos e enfeites, para cantarmos Parabéns Pra Você. 
Mas essa adoração só durou até meus 10 anos. Depois já nem gostava mais de fazer festa; e se tinha bolo para cantar parabéns, já era suficiente. 
Com 16 eu não queria comemorar mais aniversário nenhum e detestava que cantassem Parabéns para mim. Foi aí que começou minha rabugice.

Essa é uma pequena história de como eu não ligo muito para meu aniversário. Mas hoje eu resolvi que ia escrever algo para mim mesma, porque afinal: eu sou eu, e sem o dia do meu aniversário eu não existiria, e confesso que gosto da minha insignificante existência.