Na Estante: John Green

Normalmente eu comento sobre um livro de cada vez na categoria Na Estante, mas dessa vez decidi juntar todos os livros do John Green que li ano passado e fazer um breve comentário sobre o que achei deles, do que gostei ou não gostei e porquê. Isso se deve o fato de que eu ando sem vontade de escrever um post mais longo sobre os livros, e querendo "matar dois coelhos com uma cajadada", foi essa a solução que achei. Espero não soar preguiçosa demais, mas agora é tarde, hehehe.

John Green é conhecido pelos seus livros YA (termo em outros países como Young Adult, que para o português ficaria como Jovens-adultos, e não é a mesma coisa que infanto-juvenil), e pela boa escrita destes. Acho mesmo que JG é um dos autores YAs mais bem sucedidos hoje em dia. Mas eu realmente acho que ele sabe o que está fazendo, mesmo que a fórmula seja quase sempre a mesma coisa: garoto nerd e loser, que se apaixona pela garota "mais legal" da escola e vive uma aventura, com uma certa moral no final. Ele quebra isso, fazendo dos seus personagens adolescentes mais maduros e espertos do que os adolescentes hoje em dia - talvez quando ele e os amigos eram adolescentes eles fossem assim.
Gosto da escrita leve dele, mas que ao mesmo tempo é bonita e sem gírias exageradas, como alguns livros para jovens, com excesso de "maneirismo". Bom, vamos aos comentários individuais de cada livro, por ordem de lidos.

Em Quem é você, Alasca? Temos o tal nerd loser que se apaixona pela menina legal; temos adolescentes que estão com seus instintos sexuais aguçados; que falam palavrões e coisas do tipo; mas também temos belas passagens em que Miles cita últimas palavras de pessoas famosas, coisa que ele adora colecionar. O livro foi uma leitura muito boa e profunda, porem eu arrastei um pouco o começo, para depois a leitura fluir como um rio cristalino. Ele não é meu favorito, mas sempre vou lembrar e recomendar com carinho desse livro ótimo.

Avaliação: ★★★★

Esse é o livro destoante de JG. Primeiro que, além de ser um YA, A Culpa é das Estrelas também é considerado um sick lit; segundo que desta vez a protagonista é uma mocinha, uma menina que de doce não tem nada, mas que conquista a cada página. Hazel é uma menina decidida, mesmo doente ela vive de maneira mais normal possível, mas um dia ela conhece Gus (ah, o Gus...) e parece que o mundinho dela meio que balança, mesmo ela sendo meio durona. Achei lindo o relacionamento dos dois, e confesso que nesse eu chorei. E olha que não sou de chorar com livros. Esse livro mexeu comigo e virou meu favorito.

Avaliação: ★★★★ ♥

Ao contrário dos outros dois acima, este eu acho que JG não foi muito feliz na história. Não que em O Teorema Katherine a escrita esteja pior ou algo do tipo, é a história mesmo que é muito chata. Além de ter a personagem mais insuportável que li até hoje: Lindsey Lee Wells. Como comentei nesse outro post, o livro é boring e sem muitas partes cativantes. Acho que o que salva o livro de ser ruim é o humor de John. Porém, infelizmente, ele só colocou o seu humor em Hassan, o melhor amigo de Colin, o protagonista. Espero que este seja o único assim, mais sem graça do autor.

Avaliação: ★★

E por fim, Cidades de Papel. Não é o melhor livro do JG, mas está longe de ser o pior. Posso dizer que em certos momentos (passado do meio do livro) em que a história estava muito enrolada. Parecia que não ia continuar fluindo, mas acabou de um jeito legal. Pelo menos eu gostei. Margo é uma personagem meio complicada, que às vezes dá raiva, mas ela é carismática. Mas o livro é aquela formula: nerd loser que ama a garota mais legal da escola. Só que há outras coisas no meio; uma roadtrip, mistério, e até uma suposta morte. Nisso o livro é muito interessante. Eu recomendo como um bom YA.

Avaliação: ★★★


p.s: Li os livros ano passado, e esse post era para ter saído meados de outubro, mas acabei enrolando para escrevê-lo, embora isso não faça tanta diferença. Está aqui e espero que apreciem.




Bons Sonhos

Nenhum comentário

Obrigada pelo comentário \o/
Responderei assim que for possível ;)